O modelo voador da Embraer pretende apresentar ao país um jeito mais acessível, barato e democrático para a locomoção aérea urbana

A área de inovação da Embraer, chamada EmbraerX, acabou de receber um “upgrade”. Na última quinta-feira (15) anunciaram o lançamento da startup Eve Urban Air Mobility Solutions Inc, projeto que irá operar internamente para o desenvolvimento de carros voadores no Brasil.

A Eve é a primeira empresa de mobilidade urbana aérea do país, e passou por um processo de incubação de quatro anos dentro da EmbraerX, na Flórida. Ela bebe tanto da fonte dos 50 anos de experiência da fabricante de aviões quanto da força inovadora das startups.

Inovação e diversificação, inclusive, são os dois pilares do novo plano estratégico da Embraer, segundo Francisco Gomes Neto, Presidente e CEO da companhia, em nota oficial à imprensa. “A Eve está preparada para conceber a nova fronteira no transporte com aeronaves inteligentes, ambientalmente amigáveis e autônomas, o amplo suporte associado e soluções de gerenciamento de tráfego aéreo urbano”, diz.

Em breve entre nós

O protótipo do carro voador havia sido revelado em 2019, no evento Uber Elevate Summit, e o primeiro vôo simulado ocorreu em julho deste ano.

O modelo é conhecido como eVTOL (espécie de veículo aéreo elétrico com decolagem e pouso vertical). Segundo a empresa, essa inovação irá apresentar ao país um jeito mais acessível, barato e democrático para a locomoção aérea urbana.

De acordo com Antonio Campello, CEO da EmbraerX, teremos carros voadores circulando entre nós muito antes do que podemos imaginar. “Muito se fala sobre o quão futurista é um eVTOL, sobre como será fabuloso fazer pelo céu um trajeto curto, urbano, que se faria de carro, ônibus ou metrô. Mas gosto de colocar a questão em uma perspectiva que vai além”, disse o CEO à imprensa. “Estamos falando de criar algo em parceria com a sociedade, ouvindo as necessidades reais das pessoas, envolvendo-as no processo, trazendo o ser humano e seus anseios para o centro da mesa. Isso é o que nos move.”

por Carolina Cozer Whow!